quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Epiléticos poderão ter gastos com medicamentos reembolsados pelo Governo


O PL 5538/2019 quer ampliar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS) a quem convive com a síndrome - reduzindo seqüelas -, e obrigar o Poder Público a reembolsar os valores gastos com medicamentos, caso não possam ser adquiridos gratuitamente.​(Foto: Reprodução)

O deputado federal Ruy Carneiro apresentou na última segunda-feira (21), na Câmara dos Deputados, o projeto de lei que cria o Programa Nacional de Assistência Integral às Pessoas com Epilepsia. O PL 5538/2019 quer ampliar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS) a quem convive com a síndrome - reduzindo sequelas -, e obrigar o Poder Público a realizar campanhas educativas permanentes, combatendo a
discriminação social, além de obrigar o Poder Público a reembolsar os valores gastos com medicamentos, caso não possam ser adquiridos gratuitamente.

“Quem convive com a epilepsia enfrenta sérias dificuldades, sejam elas clínicas ou de convivência no meio social. É preciso haver empatia para compreender a situação destas pessoas”, afirma Ruy Carneiro ao defender o projeto.
Segundo Ruy, é comum entre os pacientes com epilepsia a descontinuidade do
tratamento, o que contribui para o surgimento de graves seqüelas. “O PL reforça que o tratamento deve ser especializado e não pode ser interrompido sem orientação médica. O SUS deve garantir o tratamento completo”, afirma.

Veja outros pontos do projeto:
-O Poder Público fica obrigado a ressarcir à pessoa com epilepsia os valores gastos com medicamentos, caso não possam ser adquiridos gratuitamente.
- A gestante com epilepsia terá acompanhamento especializado durante o pré-natal, parto e puerpério. 
- O SUS deve realizar a avaliação inicial do paciente por um especialista, para início do tratamento, em no máximo 24 horas. 
-Também deve garantir leitos para internação em enfermarias e unidades de tratamento intensivo, e vagas para atendimento em ambulatório. 
- Devem ser realizados programas de treinamentos aos profissionais de educação e trabalhadores em transportes públicos para reconhecer e prestar atendimento pré-hospitalar a crises epilépticas.
Redação do ClickPB
Matéria retirada do portal ClickPB
Postado por Anne Maracajá

Nenhum comentário:
Write Comments

Full-Width Version

false
Hey, we've just launched a new custom color Blogger template. You'll like it - https://t.co/quGl87I2PZ
Join Our Newsletter